A importância dos hábitos na vida da criança

 

Os hábitos são valiosos recursos capazes de ajudar no desenvolvimento dos primeiros anos de vida de uma criança. São instrumentos fundamentais de reorganização e aprendizagem, sendo mecanismos estáveis que permitem o aperfeiçoamento de destrezas ou habilidades.

É por esta razão que tanto se discute a importância dos pais criarem uma rotina para seus filhos, de modo que os hábitos sejam realizados com certa constância.

 

A princípio pode não parecer, mas os hábitos são fundamentais. Através deles as crianças se sentem mais seguras e tranquilas, e isso ajuda a construir um equilíbrio emocional e de personalidade, além de contribuir para a boa convivência familiar e, posteriormente, escolar e social.

 

Dentre as diversas vantagens que os hábitos podem gerar na vida dos filhos, destacam-se: a capacidade de organização, compreensão de limites e dimensões da vida, tomada de decisões diante de acontecimentos cotidianos, entre outros.

 

Por estes motivos os pais devem sempre incentivar as crianças a praticarem com regularidade algumas ações, mesmo que pareçam simples e até chatas para elas, como por exemplo: lavar as mãos antes das refeições; ter horário para dormir e se alimentar; guardar os brinquedos depois de brincar; arrumar a cama quando acorda; utilizar as “palavrinhas mágicas” (obrigado, com licença, por favor); ter um tempo dedicado à leitura e realização das lições de casa, assim como para assistir televisão, computador e vídeo game; praticar esportes e/ou atividades que estimulem a criatividade, entre outros.

 

A criação de hábitos pode variar conforme a estrutura e cultura familiar, mas as grandes referências para as crianças aprenderem sempre serão seus pais. São eles que propõem diretrizes que a criança vai adquirir. Na fase infantil, os pequeninos aprendem mais visualmente, ou seja, têm a tendência de imitar o que fazem os adultos.

 

Uma forma adequada de tentar estabelecer bons hábitos na vida dos filhos é, primeiramente, compreender que isso não é sinônimo de sobrecarregar as crianças com muitas atividades, no entanto, significa desenvolver nelas a regularidade de pequenas ações que são fundamentais para a aprendizagem e formação dos valores.