O que você precisa saber sobre a febre amarela

 

Algo que tem trazido grande preocupação para as famílias, principalmente para a vida de mamães e crianças, são as doenças transmitidas pelos mosquitos. Atualmente, ouvimos falar muito sobre dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Na sociedade em geral, discute-se a respeito do que são estas doenças, como se dá a transmissão, quais os sintomas e as formas de prevenção.

Neste post, especialmente, trataremos a respeito da febre amarela.

 

O QUE É FEBRE AMARELA

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus e transmitida por mosquitos. Muito comum nas Américas do Sul e Central e na África, a febre amarela pode ser categorizada como: febre amarela silvestre (a mais comum no Brasil), quando transmitida pelo mosquito Haemagogus e Sabethes; ou febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti (o mesmo transmissor da dengue).

 

TRANSMISSÃO

A doença não é contagiosa. Isso significa que uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra. A transmissão só se dá caso uma pessoa, que nunca tenha tido a doença ou tomado a vacina, for picada por um mosquito infectado pelo vírus da febre amarela.

 

SINTOMAS

A doença é considerada aguda e hemorrágica, causa amarelidão do corpo (icterícia) e hemorragia em diversos graus. Os sintomas da febre amarela são: febre, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Caso sinta algum destes sintomas procure imediatamente o médico. Tal doença deve ser tratada rapidamente.

 

PREVENÇÃO

A única forma de evitar eficazmente a febre amarela é através da vacinação. Recomenda-se a vacina para pessoas que vivem ou viajam para áreas de riscos (áreas silvestres, florestas). Com apenas uma dose, tanto para adultos quanto para crianças, a proteção está garantida para o resto da vida.

Porém, é importante ressaltar que a imunização nas crianças só deve ser feita a partir dos nove meses de idade e em adultos até os 59 anos. Para algumas pessoas a vacina também é contraindicada, como é o caso de gestantes e mulheres que estejam amamentando. Isto porque a vacina é feita com o vírus vivo atenuado, podendo ser transmitido para o feto ou para o bebê por meio do leite materno.

 

 

Portanto, antes de tomar qualquer medida de prevenção ou caso tenha alguma dúvida se você deve ou não tomar a vacina, consulte seu médico/pediatra para receber todas as orientações necessárias. Isto vale para qualquer tipo de vacinação.

 

 

Se a vacina NÃO é indicada para bebês com menos de seis meses, para grávidas e mulheres em período de amamentação, como posso me prevenir?

 

Existem várias formas de se prevenir contra os mosquitos transmissores e evitar tais doenças.

 

-> Levando em consideração que a transmissão urbana da doença só se dá por meio do Aedes aegypti, as medidas para evitar a proliferação destes insetos em sua residência devem ser mantidas: não deixe água limpa e parada acumulada em recipientes como caixas d'água, latas e pneus, entre outros.

 

-> Telas em janelas e mosquiteiros nos quartos são excelentes opções para proteger você e seu filho dos insetos. O mosquiteiro, em especial, é um objeto prático, fácil de instalar e utilizar. Além disso, ele é universal, podendo ser usado em berços, carrinhos e camas.

 

-> O uso do repelente também pode ser uma opção de proteção, mas cuidado, antes de sair passando qualquer repelente em seu filho, consulte um pediatra. As crianças têm a pele mais sensível e seu uso pode desencadear reações alérgicas e intoxicações.

 

-> Vestir roupas que cubram partes expostas, principalmente durante passeios em locais ao ar livre, também podem prevenir das picadas.

 

 

Fontes:

Ministério da Saúde

 

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

 

Organização Mundial da Saúde